Nova estrutura inclui a curadoria da Vila do Saber, que também deixa de ser terceirizada a partir de 2019 

Jerusa Hara, responsável pela gestão da ABAV Expo, e Beatrice Borges, coordenadora do ICCABAV, entre Amanda Souza e Laís Mosco (Comercial) e os produtores Adriana Fitipaldi e Yan Forti 

A ABAV Nacional encerra 2018 conduzindo a reestruturação necessária ante a decisão de manter a organização da ABAV Expo totalmente concentrada internamente, o que inclui a curadoria da Vila do Saber e do Congresso ABAV de Turismo, agora sob inteira responsabilidade do ICCABAV, o Instituto de Capacitação e Certificação da entidade.

"Sempre mantivemos o desejo de voltar a gerir o nosso evento, e sentimos que após dez anos, o momento se propiciou para essa retomada", explica o presidente da ABAV Nacional, Geraldo Rocha. "Iniciamos a transição absorvendo a área comercial da feira, e os resultados que obtivemos já a partir deste ano nos trouxeram a motivação que precisávamos para seguir adiante", completa.

Em metros quadrados comercializados, a ABAV Expo 2018 superou a edição passada em 19%, e em volume de contratos, o crescimento foi de 32%. Graças a essa autonomia, e à antecipação da apresentação da planta de 2019, a entidade já tem 60% do piso negociado, entre projetos, reservas e vendas fechadas, para expositores de peso como Mercedes-Benz, Localiza, Unidas, Iberostar, Argentina, Marrocos e Uruguai.

Uma das metas para a edição 2019 é ampliar a presença de expositores estrangeiros. Para alcançá-la, a equipe comercial cumpre uma agenda de visita aos principais eventos internacionais, iniciada este ano já, e que seguirá em ritmo intenso ao longo do próximo ano. A estratégia será reforçada com a promoção de road shows em mercados-chave.

Além da equipe comercial, integrada por Amanda Souza e Laís Mosco, o núcleo operacional da ABAV Expo foi reforçado com a contratação de Adriana Fitipaldi e Yan Forti, na produção, a que se juntarão pelo menos mais 18 profissionais nos próximos meses. "Organizamos nossa feira por décadas e retomá-la agora a 100% será um grande estímulo para voos ainda mais altos e, quem sabe, a viabilização de alguns projetos mantidos na gaveta. Estamos confiantes nessa nova estrutura", conclui Rocha.